13° DIA: O “QUERO MUDAR DE VIDA” PRA QUEM NÃO TEM DINHEIRO

Crise dos 30 - Quero Mudar de Vida

Quero mudar de vida, mas preciso do meu trabalho para me sustentar! Não tenho dinheiro para me dar ao luxo de simplesmente parar de trabalhar, tirar um ano sabático e me dedicar a me conhecer melhor e descobrir minhas paixões. O que fazer?

Se esse for seu caso, não se preocupe. Você definitivamente está longe de ser a única pessoa nessa situação. Essa é uma pergunta que eu mesma me fiz muitas e muitas vezes, e fico feliz em poder dizer que encontrei a resposta (bem, ao menos posso dizer que encontrei a resposta que tem funcionado pra mim!).

Como eu já contei algumas vezes por aqui, eu sou simplesmente fascinada por histórias de pessoas que deram um giro de 180° em suas vidas e mudaram completamente sua forma de viver. São histórias inspiradoras e que me fizeram e ainda fazem acreditar que sim, é possível! Se eu não tivesse me cercado de todos esses relatos, talvez jamais tivesse tido a coragem de pedir demissão do meu emprego de Gerente Geral numa Operadora de Turismo Receptivo na Nova Zelândia há exatamente 2 meses (sim, hoje minha demissão está fazendo mesversário! Crise dos 30 - Blink). Acho difícil que eu tivesse tido a coragem de assumir esse grande risco na minha vida pessoal e profissional se não tivesse ouvido tantos depoimentos de quem já fez o mesmo. Aliás, foi seguindo esse mesmo raciocínio que o Crise dos 30 nasceu: foi a forma que encontrei de retratar o processo de quem decide fazer uma mudança de vida em tempo real, e dessa maneira inspirar pessoas que estejam vivendo o mesmo processo e precisem se sentir ‘menos sozinhas’ nessa caminhada. E claro que, com isso, eu também acabo me sentindo bem menos solitária…

O que observo é que, no geral, quando ouvimos algumas das histórias de quem já passou por esse processo de mudança de vida, muitas vezes ficamos com aquela impressão de que “Ah! Funcionou para ele porque ele não tinha filhos”, ou “Ah! Funcionou pra ele porque ganhava super bem e conseguiu economizar um monte de dinheiro”, ou “Ah! Funcionou pra ele porque na área que ele trabalha é mais fácil conseguir um emprego remoto”. Enfim, os pensamentos nessas horas são muitos, e ficamos sempre com aquela pulguinha atrás da orelha nos dizendo que pros outros é sempre mais fácil, mas que mudar de vida não é uma opção real pra nós.

Não tem problema assumir que você se sente assim, viu? Eu também me sentia da mesma forma e, pra ser sincera, ainda hoje tenho meus momentos de dúvida, onde me questiono se vou ou não conseguir mesmo dar essa volta por cima. Eu sempre vi histórias de pessoas largando seus empregos para viajar pelo mundo, fazendo uma mudança dramática de carreira ou se mudando de mala e cuia pro interior, e eu pensava: “Mas eu não posso fazer isso! Eu não tenho dinheiro, então não tenho opção. Eu preciso trabalhar pra me manter!”.

Crise dos 30Você também tem interesse em viabilizar a mudança de vida que tanto sonha, mas não vê formas de fazer isso com o dinheiro que ganha hoje? Continue lendo esse post que eu vou contar exatamente como eu fiz para começar a viabilizar a minha.

Lembro de uma conversa que tive com meu irmão há bastante tempo, onde ele me disse: “Até pra viver numa casinha branca vendendo água de coco numa praia do nordeste você precisa de dinheiro! Como vai comprar a casinha branca?”.

É, ele tinha razão… E foi com base nisso que eu, por anos e anos a fio, coloquei esse pensamento na minha cabeça de que eu jamais poderia me livrar da rotina que eu odiava e não via o menor sentido. Eu não tinha nascido rica, eu não tinha casado com um marido rico, eu precisava trabalhar!

Crise dos 30 - Quero Mudar de Vida

QUERO MUDAR DE VIDA, MAS NÃO POSSO PARAR DE TRABALHAR

Desde essa conversa com meu irmão, muito tempo já se passou e várias coisas já aconteceram… Eu me divorciei, larguei meu emprego bem remunerado em São Paulo, vim pra Nova Zelândia passar 3 meses na casa da minha amiga, acabei ficando mais tempo pra estudar, trabalhei em subempregos até arranjar um emprego na minha área, virei gerente, viajei e, de repente, anos depois, me vi na mesma situação de novo: vivendo uma vida que não fazia mais o menor sentido pra mim e super infeliz com minha carreira.

Olhando assim não parece haver o menor motivo pra eu me sentir dessa forma, né? Morando numa cidade reconhecida por seus altíssimos níveis de qualidade de vida (Auckland aparece em tudo o que é ranking desse tipo), evoluindo na minha carreira, com um bom emprego, sendo razoavelmente bem remunerada, e tudo isso num país que nem é o meu e que eu nem tinha intenção de ficar por muito tempo. Não parece nada coerente, eu sei, mas não vou me aprofundar aqui nos motivos de eu me sentir assim, tá bem? É um assunto muito complexo, mas prometo que conto num próximo post Crise dos 30 - Blink

A questão é que eu não podia, de uma hora pra outra, simplesmente parar de trabalhar. Já tinha feito isso 4 anos atrás, mas agora não tenho  nem mais como correr pra casa dos meus pais se tudo der errado, eu moro literalmente do outro lado do mundo e não tenho ninguém aqui, a não ser meu namorado (OBS: já nem sei mais como “categorizar” esse relacionamento. Moramos juntos há 3 anos, já durou mais que meu casamento! Hahahaha Talvez devesse começar a chamar de marido mesmo emoticom). Numa situação dessas, onde não tem ninguém pra segurar sua barra caso você precise, e com 3.0 nas costas, as coisas tomam uma proporção bem diferente de quando você tinha 20 ou 25. A sensação é de que tudo é mais definitivo e que qualquer deslize pode ser fatal.

QUERO MUDAR DE VIDA DEPOIS DOS 30: LOUCURA?

Alguns vão dizer que isso não tem nada a ver, que idade não é fator determinante nesses casos e que essa é apenas uma sensação que vai passar com o tempo. Quando fecho os olhos, até sei que isso faz todo o sentido e essas pessoas estão provavelmente certas, MAS EU CHEGUEI NOS 30 AGORA E A SENSAÇÃO É SIM QUE QUALQUER ERRO PODE SER FATAL! A IMPRESSÃO QUE DÁ É QUE, SE NÃO ESTOU FELIZ HOJE COM O RUMO QUE MINHA VIDA TEM TOMADO, EU PRECISO FAZER ALGUMA COISA AGORA, pois depois pode ser tarde demais.

Se não é fácil aos 30, chances são de que não vai ficar mais fácil aos 40…

Chegar aos 30 me trouxe um senso de urgência que, embora desesperador, tem sido muito bem vindo. Me fez repensar (e muito!) os rumos da minha vida, e qualquer mudança só é mesmo possível através de muita reflexão e questionamento, não é verdade? Bem, eu acredito que sim.

Crise dos 30 - Quero Mudar de Vida

EU QUERO MUDAR DE VIDA, MAS NÃO TENHO DINHEIRO

Eu estava no auge da minha crise. Pedir demissão de uma hora pra outra não era uma opção, voltar pra casa dos meus pais também não, e ficar sem dinheiro pra me sustentar do outro lado do mundo muito menos. Nesse momento, eu tinha duas opções:

  1. Colocar na minha cabeça que seria impossível pra mim fazer qualquer mudança de carreira e de estilo de vida já que eu dependia do meu salário, ou
  2. Começar seriamente a analisar todas as possibilidades e ver de que forma eu poderia viabilizar a mudança de vida que eu queria.

A grande maioria das pessoas que faz alguma grande mudança na vida passa por momentos assim. Eu nunca encontrei depoimento de alguém que dissesse: “Fiz uma volta ao mundo porque meu pai pagou”, ou “Saí do meu emprego e fiquei um ano apenas estudando para minha nova carreira porque eu tinha muito dinheiro, foi tranquilo”.

A VERDADE É QUE NÃO É FÁCIL PRA NINGUÉM!

Nessas horas, pode acreditar, todo mundo tem medo. Todo mundo tem medo porque não existe certeza de nada: as coisas podem acontecer da forma que você planejou, ou não. A realidade é a mesma pra todos, pros que tem mais ou menos dinheiro: se esborrachar de cara no chão e não conseguir absolutamente nada do que você deseja é uma possibilidade assustadora pra todo mundo.

Crise dos 30 - Quero mudar de vidaO QUE EU FIZ PARA VIABILIZAR A MINHA MUDANÇA

Eu também estava morrendo de medo, mas no meu caso, a certeza de continuar vivendo a vida que eu tinha me dava mais pavor do que as incertezas de me desafiar a criar uma vida que fizesse mais sentido pra mim. E foi aí que eu me dei conta que a situação estava ficando tão insustentável que eu precisava fazer alguma coisa.

A palavra chave aqui é uma só: PRIORIDADE.

Se você não tem uma fonte de dinheiro infinita jorrando na sua conta bancária, você precisa aprender a priorizar. E claro que isso tudo tem uma parte chata: priorizar não é fácil, e muitas vezes pode também não ser nada prazeroso.

Eu moro com um músico autônomo, ou seja, também não existe uma grande estabilidade financeira por parte dele. Nós sentamos pra conversar, com papel e caneta na mão, e fomos fazer as contas para descobrir se seria mesmo possível viver apenas com o salário dele por alguns meses. A descoberta foi dolorosa: não seria possível manter nosso estilo de vida apenas com o salário dele.

“Ah, então é isso! Game over pra mim, vou ter que amargurar esse trabalho e essa vida pra sempre, porque não tem saída!”

Seria fácil chegar a essa conclusão, certo? Mas tem uma coisa curiosa nessa nossa descoberta… Note que eu disse que não seria possível manter nosso estilo de vida, não que não seria possível viver apenas com o salário dele. E é aí que entra a questão da prioridade.

Eu não sei qual é a sua realidade, mas a verdade é que você precisa se dispor a priorizar se quer ter alguma chance de tomar as rédeas da sua própria vida. A vida que você quer e merece viver não vai cair do céu, mas também não precisa ser impossível!

Primeira crença que precisa ser mudada, imediatamente: não é mais fácil pros outros do que é pra você.

Se você quer mudar de vida, seja mudando de carreira, viajando pelo mundo, parando de trabalhar por um tempo, se dedicando a abrir seu negócio ou qualquer outra coisa: comece a pensar agora do que você está disposto a abrir mão. E não se engane ao dizer que você não pode abrir mão de nada. Se você chegou até o Crise dos 30 e está lendo esse texto, eu sei que você não se encaixa na porcentagem da população que vive na miséria, e eu sei também que se você procurar bem, vai encontrar alguma coisa da qual você pode abrir mão.

Eu abro mão todos os dias, há dois meses. Eu abri mão de engordar minha poupança para viajar. Eu abri mão do brunch aos finais de semana nos cafés descolados da cidade. Eu abri mão de comprar o vinho de $15.00, agora só compro o de $7.99. Eu abri mão de ter preguiça de cozinhar e comprar comida fora. Eu abri mão de andar de carro pra todo canto. Eu abri mão de ir ao cinema quando me desse na telha. Eu abri mão de comprar um cookie quando me deu vontade. Eu abri mão de todos os programas sociais que eu gostava de fazer. Hoje eu e o Henrique vivemos com o dinheiro contado, onde cada centavo é contabilizado. Ficamos em casa todos os finais de semana, cozinhamos, e assistimos filmes apenas na televisão.

Agora, vou te pedir uma coisa muito importante: resista à tentação de criticar e de dizer que “Ah! Mas pra você é mais fácil, porque você…” blábláblá A verdade é que não importa o quanto você ganhe, se de uma hora pra outra o dinheiro que entra na sua casa cai pela metade, você vai sentir, e muito!

Eu não estou me dando o luxo de estar há dois meses sem trabalhar. Pelo contrário, eu estou me *$%#&@$%  em vários aspectos por estar há dois meses sem trabalhar, mas eu sei o que eu quero e eu sei o porquê estou fazendo isso, e isso me faz suportar os perrengues que a minha decisão me causa, dia após dia.

Crise dos 30 - Quero mudar de vidaAgora é hora de olhar pra sua vida. O quanto você realmente quer fazer essa mudança? Do que você está disposto a abrir mão nesse momento para que seja possível correr atrás dos seus objetivos?

Talvez você possa abrir mão de um carro e todos os gastos que vêm com ele (combustível, estacionamento, seguro, prestação) e passar a usar o transporte público. É gostoso? Não, mas pode ser necessário. Talvez você possa abrir mão de comprar roupas e acessórios todo mês, e decidir diminuir seu guarda-roupa, quem sabe até fazendo um bazar com as peças que não usa mais. É gostoso? Não, mas pode ser necessário. Ou então talvez você possa abrir mão de morar no seu bairro e se mudar pra um lugar onde o aluguel seja mais barato. É gostoso? Não, mas pode ser necessário.

Tenho certeza que se você analisar com cuidado sua vida, seus hábitos e seus gastos, vai encontrar alguma coisa que não seja assim tão imprescindível, e da qual você vai poder, de um jeito ou de outro, abrir mão. O quanto você está disposto a abrir mão é o que vai determinar suas chances de caminhar mais rápido rumo aos seus sonhos e à sua nova vida. Todas as pessoas que estão contando suas histórias de mudança de vida hoje em dia abriram mão de alguma coisa no passado. Aliás, abriram mão de muitas coisas, e hoje colhem os frutos disso.

E eu vou dizer uma coisa bem desagradável, mas a realidade pode ser mesmo bem desagradável às vezes: se você não está disposto a abrir mão de nada, abrace a vida que está vivendo hoje e seja feliz! Sem remorsos e sem olhar pra trás.

O Brendon Burchard, autor e coach de alta performance americano, diz uma frase que mudou a forma como eu via a minha realidade: “Existem duas formas de algo mudar definitivamente a sua vida: ou algo externo entra na sua vida (como por exemplo, ganhar na loteria), ou algo novo sai de você”.

A decisão, no final das contas, é sempre sua: você vai continuar esperando pelo milagre?

Love,

Carol

Carol Sales

Paulista residente em Auckland, gosta de sol e mar, de chuva e aconchego, de frio e cobertor. Hoje. Talvez amanhã não goste mais.
Acredita que nada acontece por acaso e que a vida dá seu jeito (contanto que a morte não seja o assunto da rodinha) e vive numa eterna batalha entre ir pra academia, ler, escrever ou ficar de bobeira pesquisando sonhos na internet - sonhos esses que 99.9% das vezes tem a ver com definir o próximo destino.