123° DIA: QUAL A FOTOGRAFIA DA SUA VIDA?

Fotografia da sua vida - Crise dos 30

Ontem, durante a retomada da minha rotina de estudos, ouvi do Gerônimo Theml uma metáfora que achei bastante interessante.

“Quando montamos um quebra-cabeça, geralmente começamos com as pecinhas das pontas, montando a moldura, porque dessa forma fica mais fácil de completar o restante. No entanto, se quisermos ter sucesso com esse quebra-cabeça, o ideal é que tenhamos do nosso lado a fotografia da imagem que estamos tentando montar. Sabendo exatamente qual é a imagem que queremos ter no final, fica mais fácil saber qual peça precisamos pegar, em qual momento, e em qual posição.

Assim é a vida, exatamente como um quebra-cabeça que precisamos ir pegando as pecinhas para conseguir montar. Ainda assim, a maioria de nós vive sem saber qual é a fotografia que está tentando criar e, dessa forma, não faz ideia de qual peça pegar.”

Ouvir essa metáfora me fez pensar. Será mesmo que eu tenho claramente definida a fotografia que eu quero montar pra minha vida?

Crise dos 30O Gerônimo diz que querer “ser feliz” é muito genérico, não vale. O que é exatamente que você quer pra sua vida? Quantas horas por semana você quer trabalhar? Quanto dinheiro você quer ter? Quanto tempo livre você quer ter? A quais hobbies você quer se dedicar? Quantos clientes você quer ter? Você quer ter um negócio próprio ou quer trabalhar pra alguém? Se quer ter um negócio próprio, quer que seja pequeno e gerenciado por você, ou quer crescer a ponto de ter centenas de funcionários, matriz e filiais? Poucos são os que têm a ousadia de pegar papel e caneta e escrever: meu objetivo é ter X de dinheiro por mês entrando na conta, quero ter um negócio próprio com X funcionários, quero falar X idiomas e quero me dedicar a praticar o esporte X.

Que dificuldade é essa que temos em fazer planos e realmente nos comprometer com eles? Será que é o medo de ousar querer algo que parece tão longe do nosso alcance em determinado momento? É o medo do fracasso? É o “melhor nem me permitir sonhar com isso, porque não vai se tornar realidade mesmo…”?Sonhar alto - Crise dos 30

Eu ouvi uma vez, não me lembro de quem, que “sonhar alto dá o mesmo trabalho de sonhar pequeno”, e essa frase nunca mais saiu da minha cabeça. AFINAL, POR QUE NÃO SONHAR ALTO? E eu pergunto isso tendo em mente que sonhar alto não tem necessariamente a ver com ter muito dinheiro, ser milionário, nem nada disso. Eu sou uma pessoa que não tem a ambição de ser rica, ainda assim, me considero alguém que sonha alto. Sonhar alto significa, antes de tudo, ter coragem de expressar o que a gente realmente quer da vida. É ter a coragem de admitir pra si próprio que você quer ter mais do que o que você tem, que você quer ser mais do que quem você é, e admitir que você vai precisar mexer o traseirinho pra conseguir. É saber que você vai falhar provavelmente inúmeras vezes até conseguir, e tudo bem. É admitir que, provavelmente, a culpa não é da Dilma, e nem do PT.

Um dos meus maiores desafios atuais é com relação à minha saúde. Por muito tempo eu estive completamente desconectada da minha mente e do meu corpo, a ponto de me perceber totalmente travada e sem nenhuma flexibilidade aos 29 anos, e pensar: “Mas como foi que isso aconteceu? Até ontem eu estava ótima!”. Não, eu não estava. A verdade é que eu estava correndo tanto pra dar conta das obrigações da vida, que não parei pra olhar pra mim mesma, pra perceber a mim mesma. Me olhava no espelho só pra passar lápis e batom, mas não tinha tempo pra prestar atenção que qualquer movimento fora do deitar, sentar e levantar estava se tornando um desafio pra mim. Vivi anos sem perceber que, numa escala de 1 a 10, eu estava constantemente com níveis 2 de energia: “Ah, esse cansaço todo é normal, afinal, meu trabalho me consome demais”. NÃO, NÃO É NORMAL!!!

Quando eu decidi que precisava dedicar mais atenção à minha saúde, eu sabia exatamente o que eu tinha que fazer, mas e a coragem de me comprometer com um novo estilo de vida? Foi na mesma época que eu comecei a fazer o meu primeiro processo de coaching, o Programa Escolha Sua Vida, e eu estava empolgada por saber que falaríamos sobre energia, mas sabia também que essa seria uma das minhas maiores barreiras. Aprendi várias coisas, várias técnicas para aprimorar meus níveis de energia e disposição, mas no final do módulo, como sempre, veio a pergunta: “Quais são as três coisas que você pode começar a fazer hoje para gerar mais energia? Com o que você está comprometido hoje?”

E aí eu travei.

Eu simplesmente não consegui pegar a caneta e escrever no meu caderno com o que eu me comprometeria para gerar a mudança que eu mesma queria ver na minha vida. A sensação que eu tive naquele momento foi a de que, se eu escrevesse, estaria me comprometendo seriamente com algo, algo no qual eu achava que iria fracassar, então melhor nem escrever, dessa forma eu evitaria o sofrimento que o potencial fracasso me traria. Foram meses, EU DISSE MESES, até que eu conseguisse superar essa fase e começasse, mesmo que timidamente, a colocar em prática alguns hábitos que eu sei que serão muito positivos pra mim. Eu tive que criar a fotografia exata do que eu quero pra minha saúde, pra minha mente e pro meu corpo, pra conseguir me comprometer com algo apesar da ameaça constante do fracasso.

Crise dos 30 - Perguntas

E VOCÊ? QUAL A FOTOGRAFIA QUE VOCÊ QUER MONTAR NO QUEBRA-CABEÇA DA SUA VIDA?

Você sabe? Alguma vez você já parou pra pensar, com detalhes, sobre isso? Ou será que você está fazendo a mesma coisa que eu fiz por tanto tempo? Será que até hoje você nem se deu permissão pra criar a fotografia do seu quebra-cabeça, o quebra-cabeça da sua vida, por medo de ousar sonhar alto e se frustrar com a possibilidade do fracasso? Com base nesse medo a gente inventa todo tipo de desculpas, a principal delas sendo: “Eu não tenho tempo”. Mas se você não tem tempo pra pensar com calma sobre sua própria vida, então quem vai ter?

No final das contas, a escolha é sempre sua: você pode continuar como a Alice, andando em círculos e se mantendo sempre ocupado – ocupado, cansado e estressado -; seguindo o fluxo, mas sem ter a menor ideia de pra onde todo mundo tá indo. Ou então, você pode se comprometer a parar. Isso mesmo, parar. Se permitir um tempinho, um final de tarde que seja, um fim de semana, uma noite antes de dormir, e começar a rabiscar a fotografia da sua vida, aquela que VOCÊ quer montar.

Não se preocupe se parecer difícil demais, e não se culpe! Saiba que você não precisa ter todas as respostas. Você só precisa se comprometer a fazer as perguntas.

Love,

Carol

Carol Sales

Paulista que antes residia em Auckland (agora em período de transição), gosta de sol e mar, de chuva e aconchego, de frio e cobertor. Hoje. Talvez amanhã não goste mais.
Acredita que nada acontece por acaso e que a vida dá seu jeito, e vive numa eterna batalha entre ir pra academia, ler, escrever ou ficar de bobeira pesquisando sonhos na internet - sonhos esses que 99.9% das vezes tem a ver com definir o próximo destino.