171° DIA: O MEU DIÁRIO DE FEEDBACKS

Feedback Journal - Crise dos 30

“Quando decidi concorrer a vaga para ter as sessões de coaching, tive aquele preconceito que muitos tem: será que dá certo mesmo? E hoje, depois de apenas três sessões, eu já vejo uma grande diferença e aos poucos venho descobrindo do que a SAMANTA realmente gosta e o que ela quer pra vida dela.” – Samanta Ribeiro

Quando comecei a minha formação em coaching pela Worklife Solutions, lá na Nova Zelândia, a minha mentora me sugeriu, muito sabiamente, que eu começasse o meu Feedback Journal, ou Diário de Feedbacks.

Nesse diário, minha missão era escrever sempre que alguém me fizesse algum elogio falado ou por escrito, com relação a qualquer área da minha vida. Ela me sugeriu que fizesse esse diário pois percebeu, logo em nosso primeiro encontro, algumas das minhas mais mascaradas (outras nem tanto assim) inseguranças (coaches são realmente seres muito espertinhos… rsrs).

Durante um bom tempo nesse ano de 2015 esse hábito foi algo fundamental em minha vida, principalmente nos primeiros meses de vida do Crise dos 30, quando eu me sentia totalmente perdida e sem acreditar no potencial daquilo que eu escrevia. Logo depois que inaugurei o blog começaram a surgir os primeiros feedbacks, as primeiras pessoas que me escreveram dizendo que se identificavam com o que eu escrevia, que não entendiam por que eu não investia na carreira de escritora, ou que me diziam que eu deveria publicar um livro, pois achavam que a qualidade dos meus textos era sensacional. E cada um desses e-mails, mensagens, comentários e posts no Facebook foram parar no meu Diário de Feedbacks.

Pode parecer besteira, mas quando você se dá conta que existem páginas e mais páginas e mais páginas de “depoimentos” de pessoas que te admiram por algo e que acreditam mais em você do que você mesmo, uma força diferente brota dentro de você e, no meu caso, eu passei a me enxergar através de um outro olhar.

De lá pra cá, todas as vezes que eu me sinto down e me percebo duvidando de mim mesma, basta dar uma folhada no meu diário (que é atualizado sempre que recebo um novo feedback) e me sinto como se tivesse tomado uma injeção de energia e autoconfiança.

Agora que estou me certificando coach é a mesma coisa. Num dia cheio de altos e baixos, após sessões das quais eu saí feliz com meu desempenho, e outras onde desliguei o Skype e só quis chorar de frustração comigo mesma, reescrever, de próprio punho, os feedbacks que eu recebi no dia, me dá o gás que eu preciso para acordar no dia seguinte cheia de motivação e energia para começar tudo de novo. Cada recadinho que recebo me faz acreditar que tenho capacidade de melhorar os meus pontos fracos e me ajuda a reconhecer que, embora muitas vezes eu não consiga enxergar, os meus pontos fortes existem e brilham muito mais, afinal, meus coachees já estão sentindo o resultado do nosso trabalho em conjunto na vida deles, mesmo quando eu acho que não tô fazendo nada direito.

Hoje eu sou grata por conseguir me enxergar através do olhar do outro, e por perceber que esse olhar, na maioria das vezes, tem muito mais amor e compaixão direcionados a mim do que eu consigo ter comigo mesma.

Love,

Carol

Carol Sales

Paulista que antes residia em Auckland (agora em período de transição), gosta de sol e mar, de chuva e aconchego, de frio e cobertor. Hoje. Talvez amanhã não goste mais.
Acredita que nada acontece por acaso e que a vida dá seu jeito, e vive numa eterna batalha entre ir pra academia, ler, escrever ou ficar de bobeira pesquisando sonhos na internet - sonhos esses que 99.9% das vezes tem a ver com definir o próximo destino.