Carol Sales

Verão Nova Zelândia Cathedral Cove

Após mais de quatro anos vivendo em Auckland, na Nova Zelândia, posso dizer, sem a menor sombra de dúvidas, que o verão é a melhor época do ano para se estar aqui! Que o país é absolutamente maravilhoso, com belezas naturais de cair o queixo e com paisagens que vão desde lagos coloridos até picos nevados, todo mundo já sabe. Mas quando se fala em Nova Zelândia, a primeira imagem

Promessas de fim de ano – Será que eu cumpri alguma?

Gente, faltam 66 dias pra 2016 acabar! Sabe o quanto é isso? São apenas 9 segundas-feiras. NOVE!!! Alô, alô, 2016! Onde você foi parar? Parece que foi ontem que voltei do Brasil empurrando minha malinha e sem ideia nenhuma do que seria do meu ano. Estava cheia de dúvidas, incertezas, e super insegura do que seria principalmente da minha vida profissional (se você acompanhou o Crise dos 30 e o

Você vive na terra do 'E se...'?

Hoje é dia 15 de outubro de 2016. Tenho 31 anos, 6 meses e 25 dias. Cheguei nos 30 já tendo realizado muito mais do que poderia imaginar aos 25, e muito menos do que achava que certamente já teria realizado quando eu tinha 15 (e me projetava como uma mulher de 30 independente, viajada, casada, com filhos, financeiramente resolvida e com uma carreira estabelecida). Ah, aquela pressão de chegar

Dicas de Los Angeles – No b****hit, só o essencial

Hoje estou “celebrando” meu terceiro dia de repouso forçado. Aparentemente foi uma infecção viral que me pegou de jeito, me deixando por mais de 24h seguidas com uma febre de 39°C que não baixava por nada, sofrendo pra tomar múltiplos banhos frios e só comendo o que o Henrique me trazia (não vejo a cozinha da minha casa desde quinta-feira…). Há mais de 48h que não saio do meu quarto.

Que conselho você daria pra Carol de dez anos atrás?

Hoje, um grupo de quatro alunas que estão se formando no final desse mês me abordaram e, sem pestanejar, lançaram uma pergunta: “Carolaine, se você pudesse dar um conselho a Carolaine de dez anos atrás, que conselho daria?” Sei que é uma pergunta até meio batida, é verdade, mas a questão é que eu nunca parei pra refletir sobre isso. Nos 30 segundos que elas me deram pra pensar (quanta

236° DIA (QUE ERA PRA SER O 222°): O DESAFIO CHEGA AO FIM...

Não me pergunte o motivo de eu ter relutado tanto em escrever esse post. Minha consciência não saberia responder… Tá certo que desde que cheguei em Auckland, há exatos 16 dias, a correria foi insana e eu realmente não tive muito tempo ou cuca fresca pra escrever tudo o que eu queria, do jeito que eu queria. Acontece que, a essa altura do campeonato, eu não tenho mais coragem de

216° DIA: SÓ PRA NÃO ACHAREM QUE EU MORRI...

Meu Deus, não achei que fosse ser tão difícil continuar com minha rotina de escrever durante a viagem! Como vocês podem perceber, esse é o comecinho do meu terceiro dia aqui em Los Angeles (comecinho pois aqui são 8 horas da manhã) e eu não tinha ainda dado as caras por aqui… É incrível como, se estivermos verdadeiramente atentos e dispostos a nos observar, cada dia é uma oportunidade nova

212° e 213° DIAS: HORA DE DIZER TCHAU

Já que são 3 horas da manhã e tô numa correria do caramba, acho que posso dizer que esse post vale pelo sábado e pelo domingo, né? Mesmo porque, se não valer, vai ser mais um dia que vou ficar sem dar as caras por aqui… Não tem sido fácil dar conta de tudo o que o Henrique e eu temos (ou simplesmente queremos) fazer aqui em São Paulo nessa nossa

211° DIA: PRA QUEM SE ACHA VELHO DEMAIS PRA MUDAR DE PROFISSÃO

Meu Deus, como está difícil manter meu compromisso de escrever todos os dias nessa reta final! Faltam apenas 11 dias para o 222° dia do desafio e juro que hoje, por um momento, eu pensei que poderia mesmo encerrar por aqui. Esses últimos dias no Brasil têm sido uma baita correria e sábado e domingo (que é o dia da partida) serão ainda pior. Como vou arrumar tempo pra aparecer