Desafio dos 222 Dias

188° DIA: UMA MENSAGEM DE NATAL (NO MAIS PURO JEITO COACH DE SER)

Enviei essa mensagem de Natal especialmente para meus coachees noite passada, mas não resisti: quis compartilhar com você leitor do Crise dos 30 também! *** 2015 foi um ano especial na minha vida. Cheio de altos e baixos, com mais dificuldades e obstáculos do que eu jamais poderia imaginar. Um ano marcado pela perda de muitas pessoas importantes na minha família, inclusive da minha querida avó, meses antes da minha

187° DIA: A DIFERENÇA ENTRE PESSOAS BEM SUCEDIDAS E MAL SUCEDIDAS

Essa é uma pergunta que há tempos paira sobre minha mente: Afinal, qual é a diferença entre as pessoas bem sucedidas e as pessoas mal sucedidas? Se duas pessoas têm ideias parecidas, recursos similares e – por que não? – o mesmo empenho e determinação em fazer seus sonhos e objetivos se tornarem realidade, o que é que faz com elas tenham resultados diferentes uma da outra, ou até mesmo opostos?

186° DIA: A DECISÃO QUE TOMEI E QUE MUDOU O RUMO DOS ÚLTIMOS DOIS MESES

Hoje uma das minhas coachees me perguntou: “Como é que você faz pra controlar a ansiedade da volta iminente pra Nova Zelândia? Se você não tem nem casa pra onde voltar, como é que você faz pra lidar com isso enquanto ainda está aqui?” Eu não precisei pensar pra responder. Essa é uma resposta que eu já precisei dar pra mim mesma meses atrás… Foi uma decisão consciente. Eu decidi,

185° DIA: CAINDO DE NOVO NA ARMADILHA DE ODIAR AS SEGUNDAS-FEIRAS

Eu sei, eu sei… Fiquei o final de semana todo sem dar as caras por aqui. Sumir não era a intenção, mas passei os últimos dois dias me dedicando às crianças que vieram dormir em casa (elas dormiram, eu não! rsrs), aos almoços em família, aos encontros com os amigos. Depois de uma nova crise alérgica e do remedinho matador (aquele que me faz desmaiar por umas 12 horas seguidas),

182° MAIS UM MÊS E EU VOU EMBORA

Daqui 30 dias, a essa hora, eu estarei me despedindo das pessoas que mais amo. Estarei carregando as malas no carro e indo em direção ao aeroporto. Se fosse numa situação normal, eu teria acabado de chegar e 30 dias seria tudo o que eu teria pra ficar aqui. Sim, eu sei disso. Ainda assim, três meses me pareceu um tempo curto demais… Ainda falta um mês, mas já sinto um

181° DIA: VOCÊ ACREDITA SE EU TE DISSER QUE NÃO CUMPRI O ACORDO?

Terminei o post de ontem dizendo que não colocaria meu pijama sem antes vencer uma das minhas maiores inseguranças e fazer o que eu sabia que tinha que ser feito. Lembra disso? Pois é… Mas eu não cumpri o acordo que fiz. Não sei quanto a você, mas eu me sinto péssima quando isso acontece. Me sinto péssima porque me sinto fraca, boba e, acima de tudo, medrosa. E eu odeio

180° DIA: VOCÊ SABIA QUE EU SOU INSEGURA?

Já perdi as contas de quantas pessoas me disseram (ou ainda me dizem) frases do tipo: “Tudo o que você quer, você consegue” ou “Eu queria ter a mesma coragem e determinação que você” ou “Admiro sua autoconfiança e vontade de correr atrás dos seus sonhos, de fazer acontecer”. E eu não ouço isso apenas de amigos e família, não. De junho pra cá, tenho ouvido também dos leitores aqui

179° DIA: COMO VIVER APAIXONADAMENTE

Como você pode perceber (ou não) são dez pra meia-noite e eu ainda não publiquei o texto do Crise dos 30 de hoje. Tô aqui na frente do meu computador, recém finalizei minha última sessão de coaching do dia, e estou aqui fazendo todo o trabalho pós-sessão (que me toma praticamente o mesmo tempo de uma sessão inteira) sentadinha na minha cama, com o laptop no colo. Sendo assim, não vou

178° DIA: UM OUTRO OLHAR SOBRE NOMADISMO DIGITAL

Cheguei do Rio Grande do Sul hoje, depois de 10 dias visitando a família do meu namorado. (Plim plim aqui, porque, ao que tudo indica, já recebemos um upgrade geral: depois do pastor da igreja onde nasci e fui criada ter usado o termo “seu marido” de cima do púlpito para se referir ao Henrique, ele mesmo já começou a me apresentar pras pessoas como “minha esposa”… rsrs) Tirando alguns

177º DIA: DETERMINAÇÃO OU TEIMOSIA?

“Você pode ver que em todas as jornadas dos heróis (em filmes, contos, romances…) existe uma decisão, um caminho difícil, várias emboscadas, muito medo, em vários momentos vontade de desistir. Os problemas não param de chegar, e aquela primeira decisão já começa a parecer uma tremenda burrice. Noventa e nove por cento das pessoas desistem aí. Mas, para aquelas que persistem, o caminho começa a se abrir rapidamente e a