Comece Aqui

Crise dos 30 - Comece Aqui

Você perdeu o brilho nos olhos pelo seu trabalho?

Você sente que não tem tempo suficiente para dedicar às pessoas que você ama e ao que você realmente gosta de fazer?

Você se sente escravo da sua rotina, mas não vê saída?

 

Bem vindo ao clube! Você definitivamente não está sozinho e sabe disso, afinal, num mundo onde 80% das pessoas estão insatisfeitas com seu trabalho, ler uma afirmação dessas é nada mais do que chover no molhado, e vamos combinar? Meio que enche a paciência!

Muito se fala em tomar as rédeas da própria vida, em sair da tal ‘zona de conforto’, em ser mais saudável e equilibrado e não deixar que o trabalho domine todas as áreas das nossas vidas, mas a pergunta que não quer calar é: COMO? Como pessoas que não são ricas, que dependem de um salário para se sustentar (e muitas vezes sustentar uma família), que moram em cidades com altíssimos índices de violência e um trânsito que não dá sinais nenhum de que um dia irá se ajustar, podem fazer alguma mudança significativa em sua qualidade e estilo de vida?

Antes de mais nada, se você está lendo esse texto agora, parabéns! Considere-se uma pessoa antenada, alguém que está muito próximo de mudar os rumos da própria vida. Você está acompanhando o movimento global de pessoas que estão questionando o nosso atual modelo de vida e trabalho. Esse movimento já tem força e é muito maior do que a gente imagina, e eu não tenho dúvidas de que ele certamente vai revolucionar a forma como viveremos num futuro bem próximo. Aliás, sabe aquela história de que ‘o futuro já chegou’? Então…

***** Importante eu já te avisar agora: se você curte ler aqueles textos sobre o porquê você deve ou não jogar tudo pro alto para correr atrás de seus sonhos, PARE AQUI! Sério, vai ser uma baita perca de tempo pra você. Como o próprio slogan diz, esse é o lugar pra quem quer reconhecer e aproveitar oportunidades NA PRÁTICA. Se você cansou do blábláblá e quer saber como funciona o processo de mudança de vida, de verdade, de uma pessoa comum, continue a leitura. *****

Você certamente já ouviu falar sobre os millenials (ou geração Y) que estão vindo com tudo e mudando a forma como nos relacionamos com trabalho x prazer. Ainda nessa mesma linha, sei também que está por dentro do conceito ‘Faça o que você ama’, que é nada mais, nada menos, que não encarar o trabalho apenas como fonte de renda, mas sim, incorporá-lo em sua vida de forma que ele seja não apenas o seu ganha-pão, mas principalmente, fonte de significado e propósito. Parece utopia, né? Parecem casos de uma minoria retratados no Globo Repórter

A questão é que, utopia ou não*, a galera nascida no final dos anos 70/80 (o que é o meu caso, imagino que o seu também) está ficando conhecida como a geração que está chutando o balde. Inúmeros são os casos de gente que deixou o emprego formal para empreender online, que largou tudo pra viajar o mundo ou que mudou de carreira após os 30 anos: são vários os advogados, administradores e engenheiros que deixaram de lado suas gravatas e escritórios para virarem palhaços ou pra morar numa cidadezinha do interior e viverem do que plantam.

Eu sempre amei ouvir essas histórias! Sempre foram grande fonte de inspiração pra mim e eu posso apostar que você tem andado meio obcecado pelo assunto, pensando como seria se fosse com você, não é mesmo?

A verdade é que a vida está passando. Você sabe que esses têm o potencial pra serem os melhores anos da sua vida, mas de alguma forma, parece que toda sua energia e seu tempo estão escorrendo pelos dedos. Não é que sua vida seja uma merda, não é isso, você sabe que conquistou muitas coisas em várias áreas, mas vira e mexe se pega pensando se não poderia ser diferente, se não poderia fazer algo parecido com o que esse pessoal anda fazendo, mas… Não é assim tão fácil. Tem muita coisa em jogo.

Eu sei disso. Eu estou vivendo isso na pele.

Eu pedi demissão no auge da minha carreira em Turismo. Hoje, no momento em que escrevo esse texto, faz exatamente 6 semanas que saí do meu emprego e entrei de cabeça nessa jornada, vivendo tempo integral esse momento de transformação na minha vida.

Pela internet existem vários relatos de quem já passou pelo processo e hoje colhe os frutos da decisão que tomou anos atrás. Isso sem dúvida ajuda e motiva quem resolveu trilhar o mesmo caminho, no entanto, é muito mais raro encontrar alguém retratando em tempo real quais as dores e delícias dos dias imediatamente seguintes à decisão.

Quando a gente já sabe o resultado, é muito mais fácil olhar pra trás e identificar quais foram os componentes essenciais do sucesso, mas… e durante o processo?

Quando não se tem a menor ideia do que vai acontecer, como é que encaramos, de verdade, os desafios que se descortinam à nossa frente?

Comece Aqui

É diante dessa realidade que nasce o DESAFIO DOS 222 DIAS,

um desafio que criei pra mim mesma para retratar minha jornada desde que resolvi ‘chutar o balde’ e buscar uma vida que tenha mais a ver comigo e com o que eu acredito.

***** Mais um aviso importante: esse não é um blog que vai contar a história de quando coloquei a mochila nas costas e fui rodar o mundo. Se você quer ler histórias assim (histórias fascinantes, por sinal) existem vááááááááááriooooossssss blogs muito bons, muitos dos quais eu sou fã e posso te indicar se quiser – me escreva aqui e eu posso te dar várias dicas! *****

Acredite em mim: não importa o quão certo você esteja da sua decisão, a cabeça dá um nó! A gente tende a acreditar que a vida vai se transformar assim que botar os pés pra fora do escritório, mas não funciona exatamente assim. Pra começar, você corre o risco de descobrir que seu emprego provavelmente está longe de ser a fonte de todos os seus problemas…

Alguém já te disse que, antes de possivelmente colher os frutos de toda a sua coragem de ter ‘saído da zona de conforto’, você vai duvidar da sua capacidade, questionar suas decisões e querer se trancar num quarto escuro e chorar de desespero nas horas que não souber exatamente o que fazer? Alguém já te disse que existe a possibilidade de você pensar em desistir todos os dias, pois não vai ver resultados imediatos das suas ações e não vai ter a menor ideia de como vai ser seu futuro?

Isso tudo é parte do processo, mas é essencial saber o que pode vir pela frente e entender que vai ser necessário encarar. Do contrário, corre-se o risco de desistir cedo demais…

Crise dos 30 - DesafioO desafio começa hoje, dia 19/Jun/15 e vai até dia 26/Jan/2016 (que é o dia que volto pra Auckland – você pode entender mais sobre essa história aqui). Esse é o tempo que eu me dei pra dar a volta por cima e poder, daqui sete meses, olhar pra trás e conseguir enxergar exatamente o quanto caminhei. Você vai poder acompanhar através de posts diários a realidade, os desafios, as reflexões e as descobertas de quem resolve ‘tomar as rédeas da própria vida’ na prática – dia-a-dia e em tempo real.

Em tempo: eu não decidi jogar tudo pro alto de uma hora pra outra. Esse meu processo já dura quase 2 anos e a decisão foi tomada com muita cautela e apoio de quem está mais próximo à mim no momento – Henrique, o meu companheiro pra vida. Ainda assim, são várias as surpresas pelo caminho, e aqui você vai poder acompanhar os bastidores do que realmente acontece quando uma pessoa decide fazer a tão desejada ‘mudança de vida’ – claro que jamais na tentativa de mostrar uma verdade única e absoluta, mas sim, sob a minha ótica e com base, tão e somente, na minha experiência.

A coach Paula Abreu diz que o que nos ajuda a superar nossos medos é jogar luz sobre eles, ou seja, identificarmos exatamente do que temos medo e entendermos o porquê. Eu tenho medo do desconhecido, de não saber como é que vai ser, e de correr o risco de fazer tudo isso e lá no final me dar mal ou me arrepender. Se eu pudesse ter tido acesso a relatos de pessoas enquanto estão passando pela fase mais complicada desse processo, e não apenas contando sobre o que já passou, isso certamente teria jogado um pouco de luz sobre os meus medos.

Espero que ao abrir pra você as portas da minha jornada no exato momento em que ela está ocorrendo, com todos os seus altos e baixos, eu possa ao menos estar iluminando um pouquinho a sua estrada também.

Love,

Carol

Crise dos 30Ah! Claro! Porque o nome Crise dos 30???

Porque dois anos atrás, quando comecei a pirar e questionar a minha vida inteira, o Henrique logo disse: “Putz, só pode ser a Crise dos 30… Espero que no final disso tudo você não acabe resolvendo que precisa mudar não só de vida, mas de marido também…”

HAHAHAHAHAHA Não, de jeito nenhum! Mesmo em meio a todas essas mudanças, o lugar dele está mais seguro do que nunca (e ele sabe disso)!

Agora o lado sério da história (embora o que contei acima seja totalmente verídico)…

O nome Crise dos 30 surgiu porque, além de existirem muitos sentimentos e questionamentos em comum entre as pessoas que estão chegando ou já chegaram nos temidos (ou não!) 30 anos, eu acredito de coração que essa é a época onde tomamos algumas das decisões mais relevantes em nossas vidas, que podem sim moldar muito do nosso futuro.

A maneira como nossa geração está encarando trabalho e lazer atualmente tem uma explicação lógica, e entender isso pode ser libertador pra muita gente (não digo isso da boca pra fora – foi libertador pra mim!). Pra você entender melhor, sugiro que leia aqui.

Entender como chegamos aonde chegamos como sociedade pode ser uma das coisas que mais te trarão clareza nesse momento da sua vida, e eu garanto que você não vai se arrepender!

Bora???

*Não, não é utopia, está mesmo acontecendo, já tem várias pessoas vivendo assim…