Desenvolvimento Pessoal

190° DIA: MINHA LISTA DE GRATIDÃO 2015

Dois dias atrás eu te sugeri que fizesse uma lista com ao menos 20 coisas pelas quais você pode agradecer em 2015, lembra? E aí, já fez? Hahaha brincadeirinha… Ser pressionado até pela blogueira que você acompanha, aí já é demais, né? Só sei que seria muita hipocrisia se eu sugerisse algo que eu mesma não fizesse, então vim aqui te dizer que eu tenho a minha lista da gratidão feitinha,

187° DIA: A DIFERENÇA ENTRE PESSOAS BEM SUCEDIDAS E MAL SUCEDIDAS

Essa é uma pergunta que há tempos paira sobre minha mente: Afinal, qual é a diferença entre as pessoas bem sucedidas e as pessoas mal sucedidas? Se duas pessoas têm ideias parecidas, recursos similares e – por que não? – o mesmo empenho e determinação em fazer seus sonhos e objetivos se tornarem realidade, o que é que faz com elas tenham resultados diferentes uma da outra, ou até mesmo opostos?

186° DIA: A DECISÃO QUE TOMEI E QUE MUDOU O RUMO DOS ÚLTIMOS DOIS MESES

Hoje uma das minhas coachees me perguntou: “Como é que você faz pra controlar a ansiedade da volta iminente pra Nova Zelândia? Se você não tem nem casa pra onde voltar, como é que você faz pra lidar com isso enquanto ainda está aqui?” Eu não precisei pensar pra responder. Essa é uma resposta que eu já precisei dar pra mim mesma meses atrás… Foi uma decisão consciente. Eu decidi,

185° DIA: CAINDO DE NOVO NA ARMADILHA DE ODIAR AS SEGUNDAS-FEIRAS

Eu sei, eu sei… Fiquei o final de semana todo sem dar as caras por aqui. Sumir não era a intenção, mas passei os últimos dois dias me dedicando às crianças que vieram dormir em casa (elas dormiram, eu não! rsrs), aos almoços em família, aos encontros com os amigos. Depois de uma nova crise alérgica e do remedinho matador (aquele que me faz desmaiar por umas 12 horas seguidas),

182° MAIS UM MÊS E EU VOU EMBORA

Daqui 30 dias, a essa hora, eu estarei me despedindo das pessoas que mais amo. Estarei carregando as malas no carro e indo em direção ao aeroporto. Se fosse numa situação normal, eu teria acabado de chegar e 30 dias seria tudo o que eu teria pra ficar aqui. Sim, eu sei disso. Ainda assim, três meses me pareceu um tempo curto demais… Ainda falta um mês, mas já sinto um

180° DIA: VOCÊ SABIA QUE EU SOU INSEGURA?

Já perdi as contas de quantas pessoas me disseram (ou ainda me dizem) frases do tipo: “Tudo o que você quer, você consegue” ou “Eu queria ter a mesma coragem e determinação que você” ou “Admiro sua autoconfiança e vontade de correr atrás dos seus sonhos, de fazer acontecer”. E eu não ouço isso apenas de amigos e família, não. De junho pra cá, tenho ouvido também dos leitores aqui

177º DIA: DETERMINAÇÃO OU TEIMOSIA?

“Você pode ver que em todas as jornadas dos heróis (em filmes, contos, romances…) existe uma decisão, um caminho difícil, várias emboscadas, muito medo, em vários momentos vontade de desistir. Os problemas não param de chegar, e aquela primeira decisão já começa a parecer uma tremenda burrice. Noventa e nove por cento das pessoas desistem aí. Mas, para aquelas que persistem, o caminho começa a se abrir rapidamente e a

174° DIA: QUE HISTÓRIAS VOCÊ QUER CONTAR?

Hoje é dia 10 de dezembro. Faltam exatas 3 semanas para o final do ano. 21 dias. Apenas mais 21 dias e 2015 terá ficado pra trás, terá virado história. Nessa época do ano, a maioria de nós fica pensativo, relembrando as conquistas e dificuldades dos últimos 12 meses, reconsiderando tudo. Imagino que esse período já tenha chegado pra você, assim como já chegou pra mim. Então quero te fazer

173° DIA: ALGUMA COISA REALMENTE TÁ MUDANDO...

Sabe aquele dia em que tudo, absolutamente tudo, dá errado? Você tem mil coisas pra fazer e depende de computador e internet, aí a luz acaba. Você tem cliente pra atender, e tem que desmarcar por causa disso. Aí a luz volta. Você remarca. Aí você senta pra escrever esse post, a luz começa a piscar de novo, te dando indícios de que ainda existem chances de você ser forçada

172° DIA: CRISE? EU?

Por muito tempo eu hesitei em batizar esse blog de Crise dos 30. Embora eu tenha adorado o nome desde que ele surgiu pela primeira vez em minha mente, eu sabia que ele traria em si o potencial de ser encarado, já na largada, com um certo preconceito, ou uma reação do tipo: “Crise? Ai , que demodê… Tô em crise, nada!” Uma grande parte das pessoas com quem converso